Follow by Email

Translate

sábado, 7 de março de 2015

NOVA TEORIA
Muitas razões foram dadas para o recente esvaziamento drástico dos reservatórios do sudeste brasileiro e é provável que a maioria delas contribua para as explicações, mas eu gostaria acrescentar e mostrar um cálculo.
As termelétricas sempre se instalam ao lado de grandes mananciais porque necessitam de muita água para consumo e uso. O consumo de água de uma termelétrica varia conforme a sua potência, mas para uma usina a carvão de 600 MW o consumo é cerca de 3,5 l/kWh. Então,
3,5 l/kWh x 600.000 kWh = 2.100.000 l/h = 50.400.000 l/dia = 1.512.000.000 l/mês!
Falei “consumo”, cujo vapor superaquecido é jogado para o ar e não “uso de água”, a qual volta ao manancial muito aquecida. Sabemos que nos últimos anos aumentou muito a quantidade de termelétricas no Brasil, sendo que no país já existem 194 delas.  
As termelétricas não jogam apenas água na atmosfera, mas também toneladas de partículas e muito calor por hora. Podemos pegar esse “gancho” para mostrar o que isso pode gerar na atmosfera, conforme demonstrado nO ARTIGO.   

Fig. 1

A Fig. 1 mostra como a natureza ou a atmosfera funcionavam antes da ação de certas atividades humanas. Havia evaporação natural com sua velocidade natural e formação natural de nuvens e chuvas, de acordo com a velocidade da evaporação natural e outros fatores naturais. Funcionava o ciclo hidrológico natural ou convencional. E a ventilação era boa.              
                                                            
Fig. 2

Aí apareceram as indústrias, as termelétricas, as nucleares, veículos, etc, que começaram a jogar milhões de toneladas de água no ar a todo instante ao redor do planeta. Aí a formação de nuvens começou a não depender mais da evaporação natural, pois todos esses agentes começaram a jogar mais vapor d'água, partículas e calor no ar e mais rapidamente do que os ciclos naturais conseguem fazer. Aí a cobertura de nuvens começou a aumentar e, com isso, mais chuvas e enchentes começaram a acontecer, com distribuições temporais e espaciais irregulares (Fig. 2). Aí começou a funcionar o Novo Ciclo Hidrológico, descoberto por Sartori. Isso não é apenas teoria, mas bem demonstrado e justificado com dados reais nO ARTIGO. E assim como o vento desaparece de uma superfície quando a tampamos, assim também o vento é reduzido devido ao maior fechamento da atmosfera por conta da maior cobertura de nuvens e isso aconteceu em vários lugares do planeta. Por exemplo, a população da China se refere aos "disappearing winds" (ventos que desaparecem)  vejam nO ARTIGO. E maior fechamento corresponde a um abafamento, aumento de temperatura (esta depende da transparência das nuvens) e calor para as pessoas. E a evaporação diminui. 

Fig. 3

Porém, como as termelétricas, indústrias, veículos, queimadas, etc, também jogam toneladas de partículas sólidas no ar, chega um ponto em que há um limite de saturação para o vapor d’água, partículas e calor formarem nuvens e chuvas e, assim, as partículas sólidas em excesso se acumulam na atmosfera e criam uma “barreira” sólida no ar por um certo tempo, com consequentes menos chuvas e mais secas em incertos períodos e lugares (Fig. 3).    
Mas, como as termoelétricas também jogam muito calor no ar além de água e partículas, calor adicional gera mais nuvens, chuvas e ventos fortes, pois geram grandes diferenças de pressões e consequentemente podem gerar tornados e furacões esporadicamente. Para este autor, o recente aparecimento e aumento desses fenômenos no Brasil bem como a maior incidência deles no centro-leste dos EUA coincide com os princípios teóricos bem como com o maior aparecimento dessas usinas no Brasil e maior incidência delas no centro-leste dos EUA.
E o CO2 não tem nada a ver com aquecimento global e mudanças climáticas.
E assim fiz um resumo do que é a teoria Sartori que descreve corretamente o funcionamento da atmosfera e das mudanças climáticas.