Follow by Email

Translate

domingo, 21 de fevereiro de 2010

Chamo o filme “Verdade Inconveniente” de “Empirismo Inconveniente” porque ele apenas repete informações do IPCC e suas “ciências”, que agem empiricamente. São muitos absurdos e pouca ciência verdadeira, sem critérios, métodos e rigor verdadeiramente científicos. Por exemplo: todo mundo se impressiona quando naquele filme duas fotos de uma montanha com gelo num ano e com pouco gelo em outro são comparadas. Mas, o filme não mostra e ninguém questionou se as fotos foram tiradas na mesma estação e no mesmo mês do ano. Sem o devido registro a gente pode considerar livremente que uma foto é do inverno e outra do verão.
Muito do impacto causado no mundo sobre o aquecimento “global” foi proporcionado pelas imagens desse filme. Então, agora a gente pergunta: se a foto daquela montanha gelada fosse comparada com a foto da mesma montanha tirada no inverno de 2009/2010 quando o inverno no hemisfério norte foi terrível e maior do que os dos últimos 30 anos, o efeito do filme teria sido o mesmo ou o inverso do produzido? Ou seja, simples e isoladas imagens ou dados sem terem passado por crivo científico e jogados na hipnotizadora mídia se transformam em alarmismos (ao mesmo tempo em que esta mesma mídia faz censura para análises verdadeiramente científicas). E ainda deram prêmio Nobel para o autor daquele filme, pra vocês verem o impacto que causou, embora saibamos que aquele outro estadunidense nem chegou a botar o pé dentro daquela casa branca, faz guerras, mata gente e manda mais soldados e por tudo isso ganha prêmio Nobel da paz. Basta ser estadunidense. O autor da tabela periódica, Mendeleiev, sem a qual a química não funciona, não ganhou o prêmio Nobel porque era russo.
Os meteorologistas podem analisar dados meteorológicos de mais longa duração e relacioná-los entre si, mas cujo procedimento também não é suficiente porque esses especialistas não conhecem as adequadas teorias para tais dados e assim também produzem insanidades e alarmismos, mesmo com mais dados em mãos. É o caso mais do que clássico onde eles relacionaram um aumento de temperatura com um aumento da concentração de CO2 na atmosfera e clamaram o aquecimento global, sendo esta uma comparação ingênua, limitada e incompleta teoricamente falando e há muitos outros dados e fatores atmosféricos importantes a levar-se em conta para podermos afirmar se há aumento do efeito estufa ou não. Para a verdadeira teoria essa coincidência de aumento de temperatura com o aumento da concentração de CO2 não garante nada, tanto é que recentemente houve uma queda nessa temperatura e os que fazem o IPCC e suas “ciências” ficaram sem saber o que dizer, pois apostaram todas as fichas nessa simples coincidência como “prova” do aquecimento global, também mostrada no referido filme. Agora, inclusive, há um movimento para demitir o Pachauri, o diretor do IPCC. Como sempre tenho dito, análises sem base teórica consistente levam a dar com os burros n’água, não importa se é um indivíduo ou um órgão enorme como o IPCC e todos os governos do mundo, pois sempre repetem as mesmas coisas...erradas!
É semelhante à situação vivida por um ex-colega meu que passou vários anos fazendo extensivas medições em seu experimento para sua tese e depois de todo esse tempo e esforços ele disse que não sabia o que fazer com todos aqueles dados. Claro, ele não tinha a teoria (ou seja, a orientação, o norte, a direção) em mãos e não sabia onde aplicar os dados e, se esses variaram para mais ou para menos ele não soube a razão e a importância ou não dessas variações. O mesmo acontece com esses órgãos nas mãos dos quais está o comando do mundo sobre as questões climáticas.
Através do método que criei, fundamentado na teoria, pouco importa se as temperaturas variam para mais ou para menos e há muitos outros parâmetros que definem as coisas e assim posso dizer com segurança se e em que grau cada lugar do planeta está ou não submetido ao aquecimento “global” e mudanças climáticas. O aquecimento não é global e as mudanças climáticas não dependem só do aquecimento e dependem mais de condições locais do que globais.
e.solar@hotmail.com