Follow by Email

Translate

segunda-feira, 23 de julho de 2012


Quando grupos ou governos de alguns países se rebelam contra os EUA e sua gangue invasora, estes rebeldes são chamados de terroristas pelos EUA, mas quando os EUA insuflam e armam grupos internos para derrubarem governos, estes terroristas são chamados de rebeldes. E o poder da mídia é violento. Na década de 1980 o governo dos EUA fez o povo estadunidense acreditar que Granada (!) iria invadir e destruir os EUA e, então, invadiu Granada, com interesses, claro. Não se deixem enganar. Hitler, antes de ser conhecido no mundo e era deputado, mandou botar fogo no parlamento alemão à noite, apareceu lá como quem não sabia de nada e imediatamente botou a culpa nos seus inimigos. Bush, como quem não sabia de nada sobre o 11 de setembro, imediatamente botou a culpa em árabes e invadiu países árabes, único lugar do mundo onde há lutas físicas contra os invasores imperialistas. Práticas políticas são copiadas. 
Não há nenhuma prova ou evidência científica de que o CO2 e o metano sejam causadores de um aquecimento global. A influência do CO2 na temperatura ambiente é da ordem de um a dois por cento e a do metano muitíssimo menor. Então, se o CO2 na atmosfera aumentasse muito, absurdamente, antes de tudo as pessoas teriam problemas de intoxicação e definhamento e não de aquecimento, como dizem. E a atmosfera não é hermética.  
Lembram da Biosfera II, aquela redoma de vidro hermética construída no deserto do Arizona para experiências de vida isolada e auto-suficiente? Pois bem, os 8 pesquisadores que lá conseguiram viver por um curto período se sentiram forçados a desistir da empreitada (que pretendia ser permanente) porque eles próprios, as plantas e os demais seres vivos da redoma definharam por acúmulo de CO2 em ambiente fechado.

O CO2 e o metano são gases submetidos aos mesmos critérios científicos aplicados aos outros para verificação de suas influências quanto a um aquecimento atmosférico. Não se deixem enganar por uma ciência errônea e pela violenta reprodução da mídia. 

sexta-feira, 22 de junho de 2012

NEM UM NEM OUTRO!

Na semana da Rio bem menos do que 20 foram tomadas novamente opiniões de alguns especialistas que dizem haver o aquecimento global e de outros que dizem que o ser humano não é capaz de causar mudanças climáticas.
Só tenho a dizer que entre o céu e a terra há mais coisas do que a vã filosofia e conhecimentos que todos eles são capazes de imaginar. A "ciência" de ambos os lados não resiste a um mínimo crivo! 

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Recebi convite para ser editor da revista American Journal of Engineering and Applied Sciences e a carta diz:


“Dear Ernani Sartori,

We appreciate and highly acknowledge your contributions in the area of research. Your ideas, research, experiments, publications and determination are really source of inspiration for scientists around the world.

(…)

Your favorable consideration and referral of our journal would be highly appreciated.

(…)".


“Prezado Ernani Sartori

Nós apreciamos e altamente reconhecemos suas contribuições na área da pesquisa. Suas idéias, pesquisa, experimentos, publicações e determinação são realmente fonte de inspiração para cientistas de todo o mundo.

(...)

Sua consideração e referência favoráveis à nossa revista seriam altamente apreciadas.

(...)".

sábado, 10 de março de 2012

Retornando ao referido trabalho vou dizer que a principal contribuição dele para a humanidade deve ser a de explicar física e matematicamente como funciona corretamente o efeito estufa e também demonstrar que há outro efeito estufa atmosférico e de onde saem as soluções para várias questões até agora não explicadas e também para vários problemas criados por eles mesmos. Para quem conhece o assunto teórica e experimentalmente, tal compreensão é a coisa mais natural do mundo, mas, para eles é um mundo muito desconhecido e incompreensível, isto porque não têm a base correta.
O que eles gostam mesmo de fazer são previsões e não é pouca coisa, não, é para daqui a 100 anos! Ciência significa ser ciente e quem pode ser ciente sobre o futuro? E já é muito difícil ser ciente sobre o que está na frente. E eles nem sequer conhecem corretamente o funcionamento da atmosfera, bem como os resultados de seus modelos não batem com a realidade atual. A verdadeira ciência se detém a fazer constatações as mais rigorosas possíveis sobre o que acontece ou que já aconteceu, para conhecer sobre o que existe, mas isto não é garantia de que vai ser repetido e ainda exatamente daqui a pouco, quanto mais daqui a 100 anos. A verdadeira ciência não se arrisca a garantir nada sobre o que não conhece. Mas, eles usam puro empirismo, modelos furados e estatísticas para suporem cenários futuros e, assim, “garantirem” o futuro “com exatidão” e muito remoto. E estatística não é ciência exata, inda mais quando há fenômenos físicos variáveis envolvidos e ainda diferentes daqueles esperados por eles. Como dizem que o CO2 aumenta tanto, tão rápido e causa tantas mudanças com “precisões” nos décimos, por que não fazem previsões para 5 ou 10 anos de modo que possamos conferir? É porque seus modelos não batem com a realidade!
Mesmo assim, fazem previsões e mais previsões. O IPCC criou 40 cenários para 2100 (leia-se adivinhações) divididos em 4 famílias, A1, B1, A2, B2, que procuram incluir todas as situações futuras, como se alguém pudesse fazer isso, pois as situações podem mudar para mais ou para menos do que as consideradas. E eu digo que podem mudar de forma diferente, pois eles não fazem a ciência certa.
É interessante ver as “exatidões” de suas previsões: os cenários A1, B1, A2 e B2, por exemplo, prevêem aumentos de temperatura global de 1,4-6,4 ºC, 1,1-2,9 ºC, 2,0-5,4 ºC e de 1,4-3,8 ºC, respectivamente, para 2100. Não é incrível a “exatidão” futura nos décimos? E não é só isso, há destas previsões para todos os gostos, com resultados muito divergentes entre elas para a mesma situação. Por isso que se diz que um congresso de videntes foi cancelado por problemas imprevistos. Há uma longa distância entre a verdadeira ciência e o que eles fazem, muito maior do que os 100 anos deles.
Agora vai um comentário geral que pode valer para alguns deles menos humildes. É regra geral, os medíocres (ou seriam miníocres?) e vaidosos se acham absolutos, porque seus mundos são muito estreitos, bem quadradinhos e superficiais e não enxergam e não admitem nada fora disso. Mas, sempre há um mundo maior do que o deles.
Quando falo “eles” (além dos miníocres) me refiro àqueles que só falam no CO2, só fazem puro empirismo com muitos absurdos e só fazem previsões com mais absurdos. Mas, ao lado disso, há também medições sérias e corretas feitas por outros pesquisadores que dão excelentes contribuições. Mas, como são dados isolados e os princípios físicos do conjunto não são conhecidos pelos autores das medições, muitos desses dados ficam sem entendimentos. É o caso de vários físicos de renomados institutos da Europa e EUA que não compreendem os resultados obtidos em suas próprias medições, isto dito por eles mesmos em seus trabalhos publicados. Outros ainda tentam explicar, mas também cometem erros absurdos ao violarem, por exemplo, leis que regem a natureza.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Vou fazer um parêntesis em relação ao meu referido trabalho para falar sobre a questão das sacolas plásticas. O pessoal diz que o plástico dura cerca de 400 anos e que isso é um enorme problema. Ao contrario! Isto é a grande solução! Que bom que ele dura tanto, pois pode ser reciclado muitas vezes, com lucros para o ambiente e para a economia de energia, de materiais e do planeta. Ninguém reclama que as latinhas de alumínio duram mais ainda, pois é sabido que elas podem ser recicladas quase infinitas vezes produzindo muitas vantagens! Com o plástico é a mesma coisa! Reciclando latinhas de alumínio gasta-se apenas 5% da energia que seria gasta para produzir a mesma quantidade de latinhas a partir do material bruto da natureza. Praticamente a mesma quantidade de latas serve sempre para toda a população, bastando apenas repor algumas poucas perdas bem como devido ao aumento de consumo e da população.
Além da reciclagem de plásticos, ainda há um processo semelhante ao micro-ondas através do qual já é possível obter óleo e gás de pneus e plásticos, isso não é incrível? Desperdícios devem ser evitados, mas em vez de proibirem o uso de plásticos eles deveriam ajudar a implantar tais fábricas. Na Alemanha, empresas disputam entre si o lixo das casas para produzirem energia e produtos reciclados e, assim, há enorme econômica de energia e de materiais bem como os lixões são eliminados. Lixões são sistemas ultrapassados.
Ah, mas as sacolas vão parar nos rios! No Japão não há uma só sacola que vai parar nos rios! Então, a culpa não é do plástico! Educação e organização pública são necessárias. Dentro de shoppings, com a mesma educação de fora dos mesmos, ninguém joga papel no chão. Serviços de recolhimento de lixo precisam ser aprimorados e modificados bem como devem ser estendidos de forma frequente e eficiente para as periferias das cidades onde os problemas sociais são enormes e faltam serviços públicos, cuja ausência de meios acarreta conhecidas consequências ambientais em rios e terrenos, não é um shopping zeloso que oferece condições de manutenção para bons e agradáveis ambientes.
De toda maneira plásticos de todos os tipos continuarão a ser vendidos, não resolvendo o que propõem. Além disso, caixas de papelão podem vir contaminadas e também com insetos e contaminarem os alimentos, prejudicando a saúde das pessoas e do ambiente. E as sacolas retornáveis também se contaminam com o reuso, além de que estas serão lavadas várias vezes consumindo mais água e sabão que sujarão ainda mais os rios. Ninguém se deu conta disso, nem os ecologistas. O que é melhor, ganhar com a reciclagem ou perder mais água e jogar mais sabão e água suja nos rios? E papel e papelão também vão parar nos rios assim como outros produtos, não apenas plásticos. As sacolas plásticas e as retornáveis, mesmo compradas, também irão parar nos rios, se melhorias das condições sociais, de recolhimento de materiais e da organização pública não forem adotadas. Atacar as sacolas é não enxergar o principal, que continuará o mesmo.

Mas, quem faz as compras com carro pode ajudar a economizar matéria-prima sem transtornos. É só colocar os produtos diretamente no carrinho sem sacolinhas e caixas, colocá-los no carro sem sacolinhas e caixas e descarregá-los em casa, sem grandes complicações. Quem mora em prédio tem à disposição outro carrinho para levar as compras até o apartamento. Isto serve até como exercício neste mundo sedentário.

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Há poucos dias concluí um trabalho científico mais avançado e detalhado sobre a questão do chamado aquecimento global, com demonstrações físicas e matemáticas e é pra mudar o mundo, difícil vai ser conseguir publicar nas revistas deles. E tudo confirma as afirmações científicas que venho fazendo neste blog e em outros artigos bem como confirma que essa gente que comanda essa questão no mundo não tem base teórica e científica correta e suficiente e, por isso, muitas dúvidas são geradas na população mundial, pois eles próprios não conhecem e não entendem correta e cientificamente a questão e assim também não conseguem explicar ao mundo e obter credibilidade, além de cometerem muitos erros crassos e básicos. É que as formas deles de entender e resolver as questões são puramente empíricas (que vêm unicamente de dados experimentais sem contarem com a orientação dada pelos corretos princípios físicos, que colocam ordem e direção no caos dos dados experimentais). Eles não têm base teórica adequada e suficiente para entenderem princípios que regem o funcionamento da atmosfera e assim se dão muito mal em quase tudo. É lamentável! Princípios sólidos fazem um carro andar, um prédio ficar em pé, um foguete subir, uma verdadeira nação ser construída e entender e resolver corretamente o funcionamento físico da atmosfera com suas interações.
Não posso adiantar muita coisa e nem dar muitos detalhes, mas vou procurar esclarecer mais, além do que já tenho feito. Vou começar pelo CO2.
Há duas condições físicas que devem ser satisfeitas para que um gás seja considerado um gás de efeito estufa. E em nenhuma delas o CO2 é aprovado como principal gás de efeito estufa. E fica muito aquém do vapor d’água, o primeiro, enquanto o CO2 fica sempre em segundo lugar. Então, a referida turma precisa provar científica e claramente como é que o segundo gás pode ser responsável pela maior parte de um aquecimento atmosférico. Enquanto não provarem isso, todo o alarmismo que fazem não se justifica e não está mais valendo.
Como eu disse, tudo pra eles parte e é feito com dados experimentais isolados e análises empíricas e ainda muitas vezes incorretas. Isso também foi feito com o CO2. Eles encontraram uma coincidência entre um aumento de temperatura atmosférico “global” nos últimos 50 anos (mostrado através do gráfico conhecido como “taco de hockei”) e um aumento de CO2 na atmosfera. Além desses aumentos serem duvidosos e muito questionáveis, em ciência como no resto da vida uma simples coincidência não é garantia de nada. Mas, pra eles é absolutamente tudo! Além disso, um carro de corrida que está em segundo lugar pode apresentar um aumento de velocidade nos últimos minutos e de acordo com um aumento de consumo de combustível, mas isto não garante que ele esteja em primeiro lugar e pode estar bem longe deste. Se o aumento de umidade dos últimos 50 anos for relacionado ao aumento de temperatura, uma curva semelhante ao do falado “taco de hockei” também será obtida. Uma coincidência não é ciência, é preciso justificar fisicamente a questão, o que não fazem com o CO2.
Eles tentam justificar dizendo que o vapor d’água permanece no ar apenas cerca de 10 dias e, por isso, o CO2 é mais importante. No trabalho também confirmo minhas expectativas anteriores demonstrando física e matematicamente que tal entendimento é errado. Além disso, vejam, por exemplo, que contradição: o nitrogênio e o oxigênio têm as maiores quantidades e os maiores tempos de residência na atmosfera e mesmo assim não são considerados gases de efeito estufa e os princípios que levam a tais conclusões são os mesmos que colocam o CO2 em segundo lugar e são válidos para todos os gases. E pra eles, o vapor d’água nem sequer entra como formador do efeito estufa natural da atmosfera. Absurdo! E nos últimos 50 anos houve também aumento de umidade em quase todo o globo e, além do vapor d’água, há outro fator físico que aumentou nesse período e pode gerar aumento de temperatura da atmosfera, bem como mais chuvas e secas, com causas originadas por certas atividades humanas. Por incrível que pareça, o ser humano é sim capaz de causar mudanças climáticas, mas não do jeito que dizem.
É incrível como revistas internacionais, ditas científicas (das áreas deles, claro) aceitam e repetem tantas insanidades enquanto não conhecem o que é extremamente básico e elementar. E são tais aberrações que levam o mundo a caminhos errôneos.