Follow by Email

Translate

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

TORNADOS E FURACÕES
Mais um tornado devastador aconteceu no Brasil, desta vez em Taquarituba (SP), em 22/09/13. E os meteorologistas colocaram a culpa na primavera, mas primavera sempre existiu no Brasil e tornados não, bem como o povo brasileiro nem sabia direito o que era isso nem seus nomes e esse tipo de coisa só existia em filmes e em outros países, embora a primavera sempre existiu no Brasil. Eles também dizem que os tornados só se tornam conhecidos quando acontecem em cidades, pois, dizem eles, no campo não tem ninguém pra filmar e registrar. Ora, se tornados tivessem sido assim tão normais no campo desde sempre, é claro que saberíamos disso, pois as plantações seriam arrasadas e árvores seriam arrancadas. Todos de sã consciência sabem que essas coisas começaram a aparecer recentemente e não por causa das câmeras, pois a imprensa e o rádio existem desde longa data e nunca relataram nada.
Outros meteorologistas colocam a culpa no “aquecimento global causado pelo CO2”, mas isto também não é verdadeiro, como tenho explicado neste blog e em artigo científico internacional. Essa gente do “aquecimento global” acha que o efeito estufa causado pelo CO2 cria um grande aquecimento no planeta e isto gera todo tipo de consequencia climática como tornados, furacões, secas, enchentes, etc, porém eles nem explicam como isso se daria, eles apenas atribuem tudo ao “aquecimento global” e pronto! Isso não é ciência! E como vemos acima, eles explicam tornados e furacões de forma ridícula. Eles entendem todas essas questões de forma absurdamente errada bem como o funcionamento da atmosfera e colocam tudo num saco só, mas não é assim, pois cada um desses fenômenos tem suas causas e explicações. A atmosfera não é monolítica, como uma barra de ferro, ela é gasosa e, por isso, tem movimentos gerados por inúmeras causas! Qualquer efeito estufa homogeniza as temperaturas e estas então não criam as condições para gerarem tornados e furacões. Estes têm suas causas isoladas de qualquer efeito estufa. Então, estabeleço uma data para o aparecimento desses eventos no Brasil.  
Já em 1994 o FHC começou dizendo que iria privatizar o setor energético brasileiro (a qual não trouxe nenhuma vantagem para o povo, já que os preços da energia elétrica subiram vertiginosamente bem como as linhas de transmissão estão obsoletas e não há concorrência nesse setor, ao contrário do prometido) e iria importar termoelétricas. Enquanto a propaganda do governo para essas usinas dizia que era energia limpa (!) e especialistas repetiam tamanha desfaçatez (e o slogan era “Sem influência das estações climáticas” e eu emendava com “Têm influência nas estações climáticas”), fui o primeiro ou um dos primeiros a mostrar os graves danos ao ambiente e ao país que tais usinas causariam. Mas, eu nem me referia a tornados e furacões, que naquela época eram inimagináveis para o Brasil. Inclusive, naquela época, ainda contava-se a piada que diz que os outros países têm tornados, furacões, terremotos, vulcões, frio intenso, etc, mas que no Brasil não há nada disso, porém... Pois é, tanto a piada quanto a realidade já não valem mais para o Brasil. Então, alguma coisa mudou seriamente dos últimos anos pra cá. Isso está bem claro.
Mas, é preciso alguma explicação técnica que vá de encontro a esta análise, caso contrário, seria só uma imaginação. Portanto, tendo-se identificado que tornados e furacões apareceram no Brasil nos últimos anos concomitante com o enorme aumento dessas instalações por aqui, vamos verificar se essas usinas podem justificar o aparecimento desses desastres que a população e os meteorologistas ainda acham que são naturais.
Como eu já disse várias vezes, o vento acontece por causa de diferenças de pressões, as quais são causadas por diferenças de temperaturas. Quanto mais forte for o vento, maiores precisam ser as diferenças de pressões e maiores precisam ser as diferenças de temperaturas. Inclusive, conforme a velocidade do vento, posso dizer através de cálculos qual é a temperatura necessária e vice-versa. Aí vem a pergunta: as termelétricas são capazes de causar grandes diferenças de temperaturas? Podem sim! Elas jogam toneladas de gases no ar a altíssimas temperaturas por hora e, então, criam bolsões de ar muito quente que causam fortes diferenças de temperaturas, com consequentes fortes ventos, quando certos mecanismos da atmosfera se combinam.
Depois de eu ter percebido isso, analisei o que acontece naquele país que nos USA e abUSA e verifiquei que do centro para leste daquele país invasor e destruidor de países é onde acontece a totalidade dos tornados e furacões, bem como é naquela região onde tem a enorme concentração de termelétricas potentes, como mostro os mapas neste blog. Agora vou apresentar o mapa da China, obtido por satélite da NASA, onde vemos em vermelho os bolsões de ar quente observados nos últimos meses deste ano. E nesses últimos meses também ocorreram muitos tornados e furacões naquelas regiões asiáticas, não apenas na China, pois outros países estão no caminho dos fortes ventos (na Ásia, os furacões são chamados de tufões), assim como o Caribe está no caminho em relação aos fortes ventos que se dirigem aos EUA. Esses bolsões de ar quente também ocorrem na referida região dos EUA.      
No caso da China, não é necessário que sejam exclusivamente termelétricas a causarem esses bolsões, pois aquele país sofreu forte industrialização e então muitas indústrias juntas podem também contribuir para tal aquecimento atmosférico. Esse mapa também é muito importante para mostrar que aquecimento atmosférico pode sim ser causado por certas atividades humanas, mas que não é global nem causado pelo CO2, como sempre tenho dito e demonstrado. 
No caso do Brasil, como não ocorreu forte industrialização, podemos descartar as indústrias como principais causas, mas vejam o que ocorreu com as termoelétricas: em São Paulo já são 380 delas instaladas sendo que as dos Estados vizinhos também influenciam, pois no Brasil já têm 1720 dessas usinas instaladas. Anotem aí: como essas usinas vão aumentar muito, os tornados e furacões também vão aumentar muito, com muitas devastações por aqui. E lembrar que antes das termoelétricas essas coisas não eram vistas no Brasil...